Notícias de Booking.com

Booking.com prevê as principais tendências para o futuro das viagens

 | Guardar
De inovações tecnológicas de topo a viajantes que adotam uma mentalidade ecologicamente mais consciente, aqui estão as tendências que vão moldar o futuro das viagens

Com base numa pesquisa efetuada junto de mais de 20 000 viajantes de 28 países, e em combinação com os dados de pesquisa e recomendação de propriedades, Booking.com prevê o surgimento de nove temas que irão fomentar o futuro das viagens – no próximo ano e nos seguintes.

Wandermust – O desejo imperativo de viajar

O tempo passado em casa fez com que as pessoas começassem a desejar o mundo lá fora mais do que nunca. Durante os recentes confinamentos, dois terços (65%) dos viajantes mencionaram estar ansiosos por viajar novamente, e 42% manifestaram o desejo de viajar mais no futuro para compensar o tempo perdido em 2020 (valor que sobe para 51% na Geração Z e 49% nos Millennials). Mais de um terço (38%) pretende planear uma viagem para compensar uma comemoração adiada devido ao Coronavírus (COVID-19) , enquanto dois quintos (40%) pretendem remarcar uma viagem que tiveram de cancelar.

Valor vital 

Os viajantes estarão a analisar os gastos em 2021, e 62% dos viajantes indicam que estarão mais preocupados com os preços quando se trata de pesquisar e planear uma viagem futura. Além disso, 55% estão mais propensos a procurar promoções e descontos – um comportamento que prevemos que se irá manter durante anos.

O foco na flexibilidade também permanecerá na vanguarda, com 46% dos viajantes a considerarem os alojamentos reembolsáveis como algo essencial para a sua próxima viagem.

Conhecedores, não turistas

As viagens domésticas continuarão a dominar o espaço de viagens, com 47% das pessoas a planearem viajar dentro do seu próprio país a médio prazo (7-12 meses) e 38% a planearem a longo prazo (mais de um ano). Quando se trata de viagens locais, 43% planeiam explorar um novo destino dentro da sua região/país de origem e 46% irão aproveitar o tempo para apreciar a beleza natural do seu país de origem. Metade (50%) pretende viajar para algum lugar – localmente ou não – em que já esteve anteriormente devido ao seu grau de familiaridade. 

Viajar através da inspiração 

Em busca de conforto e distração durante as semanas de confinamento, a maioria (95%) dos viajantes passou o tempo a pesquisar inspiração para férias, com mais de um terço (38%) a procurar potenciais destinos de viagem uma vez por semana. À medida que as restrições continuam a diminuir, os destinos e alojamentos criarão formas ainda mais criativas de materializar o intensificado desejo dos viajantes em escapar da realidade e conectá-los com as experiências que os aguardam – desde alojamentos que renovam a sua presença nas redes sociais até agências de turismo locais que criam Imagens Geradas por Computador (CGI) para mostrar visualmente o melhor que esses locais têm para oferecer. 

Image
Riding a bike

 

Higiene e segurança acima de tudo 

No futuro, 79% dos viajantes globais tomarão mais precauções e 70% esperam que as atrações turísticas se adaptem de forma a permitir o distanciamento social. Paralelamente, 70% só reservará um determinado alojamento se estiverem claras as políticas de saúde e higiene em vigor, com três quartos (75%) a favorecer alojamentos com produtos antibacterianos e higienizantes. 

O despertar para o impacto ambiental

Os viajantes terão uma mentalidade ecologicamente mais consciente no próximo ano e nos seguintes, com mais de metade (53%) dos viajantes globais a manifestarem uma vontade de viajar de forma mais sustentável no futuro. Como resultado, mais de dois terços (69%) esperam que a indústria das viagens ofereça opções mais sustentáveis e, consequentemente, os viajantes visitarão destinos alternativos para evitar a superlotação (48%). 

Um novo conceito de “escritório” 

Trabalhar remotamente entrou irreversivelmente para o quotidiano durante a pandemia. Esta nova forma de trabalhar contribui para que sejam feitas viagens mais longas de futuro e que combinem trabalho e prazer de forma mais eficaz do que nunca. Mais de um terço (37%) dos viajantes já considerou reservar um alojamento para trabalhar a partir de um destino diferente, enquanto 52% afirmam que aproveitariam a oportunidade de prolongar qualquer viagem de negócios para desfrutar de momentos de lazer no destino. 

Pequenos prazeres 

Tanto tempo passado nas nossas próprias casas com os nossos entes queridos despertou ainda mais o desejo de aproveitar mais os nossos recursos naturais. O uso de recomendações simples, como caminhadas (94%), ar puro (50%), natureza (44%) e relaxamento (33%) em Booking.com aumentou desde o início da pandemia. Os nossos dados mostram que mais de dois terços dos viajantes (69%) apreciarão experiências mais simples, como passar tempo ao ar livre ou com a família durante as férias. Mais de metade (56%) procurará experiências mais rurais e fora do circuito turístico comum que permitam desfrutar da liberdade do ar livre. 

Tecnologia – o futuro já é presente

A inovação tecnológica terá um papel crucial na reconstrução da confiança do viajante e iremos assistir ao seu uso acelerado de forma a adaptar-se a um novo tipo de viajante. 64% dos viajantes concordam que a tecnologia será importante para controlar os riscos para a saúde ao viajar e 63% dizem que as acomodações precisarão usar as tecnologias mais recentes para fazer com que os viajantes se sintam seguros. Mais de metade (53%) desejará opções tecnológicas para fazer reservas de última hora em restaurantes e quase um quarto (21%) gostaria de mais máquinas automáticas em vez de balcões.

 

Image
rebuilding together 1
Recuperamos Juntos

Descubra mais tendências e informações que vão ajudar a que consiga atrair a procura. 

Guia de Recuperação

O que acha desta página?

Ponto-chave
  • Estudo comissionado por Booking.com e realizado com uma amostra de adultos que efetuaram uma viagem nos últimos 12 meses ou que planeiam viajar nos próximos 12 meses.
  • Foram inquiridos um total de 20 934 pessoas de 28 países 
  • Os inquiridos responderam a um questionário on-line em julho de 2020