Use o nosso guia baseado em dados para capturar a procura do final da época.

Couple holding hands

LGBTQ+: as coisas que deve saber para tornar as viagens mais agradáveis para esta comunidade

 | Guardar
O segmento LGBTQ+ do mercado de viagens representa cerca de USD 211 mil milhões em gastos globais anuais. Click. investiga os problemas que essa comunidade de viajantes costuma enfrentar e o que as propriedades podem fazer para que todos os hóspedes se sintam bem-vindos

Escusado será dizer que todos os hóspedes se devem ser tratados de igual forma, independentemente de raça, religião, género e orientação sexual. Mas é inegável que, apesar de estarem a ocorrer progressos em todo o mundo, os membros da comunidade LGBTQ+ ainda enfrentam muitas vezes vários problemas específicos quando viajam.

“A segurança continua a ser a principal questão”, explica John Tanzella, presidente da Associação Internacional de Viagens Gays e Lésbicas (IGLTA). Acrescenta: “Particularmente para casais do mesmo sexo e viajantes de género não conforme, que poderiam ser facilmente alvo de ataques em destinos com leis anti-gays ou mesmo em lugares progressistas onde a aceitação cultural ainda pode variar de cidade para cidade ou para as áreas rurais.

“Para a nossa comunidade, até mesmo o simples ato de querer dividir uma cama com um parceiro pode ser problemático em alguns países.” Uma pesquisa realizada pela Virgin Holidays em 2016 descobriu que 37% dos viajantes LGBTQ+ sentem que são tratados de forma diferente devido à sua sexualidade quando estão de férias. A empresa também descobriu que, enquanto a grande maioria dos casais heterossexuais disse que se sentiam confortáveis a mostrar carinho ao seu parceiro no estrangeiro – 75% dos quais disseram ter demonstrado mais carinho nas férias do que em casa – apenas 5% dos viajantes LGBTQ+ se sentiram confortáveis em fazê-lo.

“Fornecer um ambiente acolhedor para o mercado LGBTQ+ faz sentido económica e socialmente”, diz Tanzella. “Não está apenas a criar um ambiente inclusivo para viajantes LGBTQ+, mas também a enviar essa mensagem positiva para os amigos e familiares que os amam e aos muitos aliados que querem apoiar as empresas comprometidas com a igualdade. As propriedades com esforços autênticos são recompensadas com clientes fiéis.”

O que dizem os números

O mercado LGBTQ+ é enorme e, portanto, os benefícios sociais e económicos de atender às necessidades e realizar esforços de marketing para esses viajantes também são ótimos. Out Now, uma entidade especializada em marketing LGBT, estima que os viajantes LGBTQ+ representam USD 211 mil milhões em consumo anualmente em todo o mundo, dos quais USD 60 mil milhões são gastos apenas nos EUA.

A sua pesquisa mostrou que esse gasto aumentou 2% todos os anos durante os últimos três anos, com alguns destinos individuais a ver mais do dobro desse valor – a Índia, por exemplo, viu um aumento de 5,7% nos gastos LGBTQ+ em 2016 e a Colômbia um crescimento de 4,7%. Isto significa que os destinos de todo o mundo, e os hotéis dentro deles, precisam mais do que nunca ter conhecimento sobre como o mercado LGBTQ+ viaja e o que lhes interessa.

Map

Foto: crédito para Rawpixel, Unsplash

O Preferred Hotels & Resorts teve grande sucesso com o seu programa Preferred Pride, que destaca 160 hotéis independentes que são aprovados pela TAG ou pertencem à IGLTA. As propriedades recebem formação sobre diversidade e as melhores práticas para servir a comunidade LGBTQ+ desde o check-in até o check-out. O programa gerou mais de 43 000 noites e quase USD 20 milhões em receita para os hotéis participantes.

“Quase sempre quando surgem problemas, a questão não se baseia na “fobia LGBT” por parte do funcionário do hotel, mas sim da sua falta de experiência ou informação”, explica o CEO da Out Now, Ian Johnson.

Educação e aprendizagem

O curso “Learn.LGBT” da Out Now aborda uma ampla gama de questões, incluindo estereótipos, linguagem a usar e evitar, maneiras de permitir que um hóspede LGBTQ+ se sinta confortável em assumir a sua identidade e as formas recomendadas de reagir em situações específicas.

Fornecer serviços simples e direcionados para viajantes LGBTQ+ também pode melhorar muito a experiência do hóspede. A Brown Hotels, uma cadeia de pequena escala com sede em Israel, fundada pelo casal gay Leon Avigad e Nitzan Perry, oferece um serviço de concierge gay.

“Tel Aviv é muito progressista”, explica Avigad. “Mas noutras cidades como Jerusalém, por exemplo, as dicas dos habitantes locais são essenciais para a experiência. Garantimos o melhor concierge gay em todas as propriedades da Brown, para que os hóspedes nunca precisem de se perguntar que tipo de atitude ou preconceito podem enfrentar ao pedir conselhos ao serviço de concierge.”

John Tanzella do IGLTA também recomenda que os hotéis se envolvam com a sua comunidade LGBTQ+ local através de eventos. “A ligação com a sua própria comunidade LGBTQ+ pode ser muito útil para entender como criar uma relação autêntica com os viajantes”, diz Tanzella. “Além disso, imagens inclusivas e mensagens de género neutro no marketing geral são fundamentais.”

 

Travel Proud
Travel Proud

A inclusão é importante para si? Se sim, vai querer saber tudo sobre o nosso programa Travel Proud. 

Saiba mais

O que acha desta página?

Imagem do herói: crédito para Stanley Dai, Unsplash
Ponto-chave
  • Os viajantes LGBTQ+ representam USD 211 mil milhões em consumo anualmente em todo o mundo
  • As pesquisas revelam que apenas 5% dos viajantes LGBTQ+ se sentem confortáveis para mostrar afeto ao parceiro
  • A formação sobre diversidade e o conhecimento da comunidade local são essenciais para garantir que a sua equipa está equipada com as habilidades necessárias para ajudar os viajantes LGBTQ+
  • O uso de imagens inclusivas e mensagens de género neutro em todo o marketing é fundamental